KRASNYARSK – Quando o presidente da FISU, Oleg Matytsin, disse “Krasnoyarsk estabeleceu um novo padrão” enquanto o caldeirão da Universíade de Inverno 2019 acabava, ele quis dizer em mais de uma maneira.

Após 11 dias de esportes e cultura, a 29ª edição da Universíade de Inverno chegou ao fim no coração da Sibéria, elevando o nível – não só em sua grandiosidade, mas também em detalhes, números, detalhes que fazem a diferença.

A participação de 58 países com aproximadamente 1700 atletas foi um recorde para a competição e tivemos algumas novidades. A orientação em esqui fez sua estreia na Universíade, por exemplo, e os Emirados Árabes participaram da competição pela primeira vez. Zahra Laro, a primeira patinadora artística de nível internacional do país ganhou corações e elogios enquanto competia elegantemente com seu hijab.

O evento começou com o pé direito quando o cosmonauta Oleg Kononenko falou com os atletas do espaço na cerimônia de abertura. A partir daí, a expectativa para Krasnoyarsk 2019 não podia aumentar. Enquanto as 76 cerimônias de premiação chegaram ao fim, a Universíade de Inverno e os estudantes alcançavam novos patamares.

Todos os dias de competição nos deram momentos de glória e êxtase que capturaram a imaginação dos espectadores e da mídia, mas alguns momentos se destacaram. Durante a competição de patinação artística, teve um momento – e não foi na área de beijos e choro – que despertou muita emoção.

Na arquibancada, durante a competição masculina, era possível sentir as vibrações da torcida da casa enquanto o herói local, Maxin Kovtun, se apresentava. Um pouco depois foi a vez do italiano Matteo Rizzo apresentar uma série quase impecável ao som de Queen. A performance ganhadora do ouro conquistou a audiência e da torcida.

“A atmosfera da Universíade é uma delícia”, disse Rizzo, bronze no Campeonato Europeu de Patinação Artística 2019 após sua apresentação. “A maneira que eu patinei encaixou perfeitamente com o apoio que eu senti do público. O clima foi único e incrível”.

A cerimônia de encerramento captou o espírito da competição. Com a presença de Dmitry Medvedev, primeiro-ministro russo, o evento começou com uma demonstração dos melhores momentos: a alegria das vitórias, agonia das perdas e as boas-vindas calorosas pelos nativos.

Assim como a cerimônia de abertura, a apresentação foi uma linda mescla de músicas, danças, cultura e desfile das delegações.

O primeiro-ministro Medvedev falou para os participantes: “Nós fizemos tudo para garantir que nossos convidados e atletas sentissem o calor e a hospitalidade da Rússia. Foram 11 dias inacreditáveis com emoções a flor da pele. Eu gostaria de parabenizar todos os campeões da Universíade de 2019. A vitória é de todos nós: vocês provaram mais uma vez que a coisa mais importante no esporte é a generosidade, coragem, espírito em equipe e comprometimento aos princípios do fair play!”

O president da FISU, Oleg Matytsin, agradeceu às pessoas de Krasnoyarks: “Os dias que ficamos aqui, no coração da Siberia, ficará para sempre em nossas memórias”.

Logo após Matytsin e Sergey Eryomin, prefeito da Krasnoyarsk, entregaram a bandeira da FISU Beat Züsli, prefeito de Lucerne (SUI), cidade sede da próxima Universíade de Inverno em 2021.

Enquanto a tocha da 29ª Universíade de Inverno foi apagada, a calorosidade e a amizade da Siberia passaram para Lucerne 2021.

Via assessoria de imprensa da FISU

0 Comments

No Comment.