[Universidade CBDU] Workshop sobre Educação Financeira dá dicas valiosas para começar a investir

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Curtiu a matéria? Deixe seu like:

Ao primeiro contato, os termos “finanças” e “investimento” podem causar um certo desconforto em várias pessoas. De cara a gente já imagina aqueles executivos de terno e gravata, sentados atrás de duas telas de computadores cheias de números, gráficos e planilhas, discutindo sobre a bolsa de valores. Porém, esse cenário está em constante mudança e, hoje, não são só pessoas de terno e gravata que lidam com investimento financeiro; às vezes seu colega de treino investe e você nem faz ideia.

A adesão a essa prática é tamanha, que em outubro desse ano, o número de pessoas físicas investindo na Bolsa brasileira (B3 como os economistas chamam) chegou a 3.147.040 – 87,2% a mais do que o número registrado no final de 2019. E se você pensa que a temática é exclusiva para pessoas economicamente estáveis ou com uma carreira consolidada, está enganado! Cláudio Souza, palestrante do workshop sobre Educação Financeira para Universitários da Universidade CBDU, explicou que a rentabilidade de um investimento está diretamente ligada ao tempo que ele existe, ou seja, quanto mais cedo você começar a investir, mais rendimento você pode ter.

Durante o encontro, que aconteceu ontem, 14, Cláudio explicou os 3 passos fundamentais para quem quer começar a polpar dinheiro, investir e se planejar para o futuro:

1- Fazer um colchão de segurança: aplicar de 10 a 12 vezes o valor do seu custo de vida em investimentos conservadores e com boa liquidez;

2- Delimitar os objetivos financeiros a curto, médio e longo prazo e considerar valores e tempo para execução;

3- Estabelecer uma independência financeira: ter uma quantia suficiente de dinheiro para caso decida ou precise parar de trabalhar.

E se você quer começar a entender um pouco mais desse universo, se liga nas dicas! O livro A Fórmula Mágica, de Joel Greenblatt é leitura obrigatória para isso; nele o autor (veterano do mercado financeiro) apresenta uma fórmula que promete ganhos acima da média nos investimentos a longo prazo. Mas, se você quer ajuda no dia a dia, o app Olivia (gratuito e disponível para Android e iOS) é pra você; a Olivia é uma assistente financeira que promete te auxiliar no controle das finanças e também a economizar. Não deixe de conferir também o site euqueroinvestir.com, lá você encontra vários conteúdos interessantes sobre investimentos, mercado financeiro e outros. E por último, mas não menos importante, confere o glossário que preparamos:

A
Ação – títulos negociáveis emitidos pelas empresas que têm capital aberto na bolsa de valores. Simplificando, são “pedacinhos” que as empresas vendem de si próprias para aumentar seu capital.
Aplicação – é o investimento de recursos financeiros (dinheiro) para obter ganhos de capital (rendimento).
Ativo – todo patrimônio pertencente a uma empresa; bens, direitos, créditos e títulos.

B
Bolsa de valores – mercado no qual se negociam títulos mobiliários diversos, como ações, moedas à vista, commodities agropecuários e outros. A bolsa de valores oficial do Brasil é a B3, com sede em São Paulo.

C
Câmbio – define todas as operações que envolvem compra ou venda de moeda estrangeira. Também se refere a relação entre duas ou mais moedas diferentes.
CDB – Certificado de Depósito Bancário – tipo de investimento que envolve a compra de títulos de renda fixa emitidos por bancos comerciais.
CDI – Certificado de Depósito Interbancário – tipo de investimento que os bancos realizam para aplicar seus recursos excedentes ou para angariar dinheiro de outros bancos.
Correção monetária – ajuste feito periodicamente de certos valores na economia de acordo com o valor da inflação de determinado período.
Crédito – acordo no qual um banco empresta dinheiro mediante garantias formais.

F
Fundo de investimento – meio mais conhecido de aplicação financeira; reúne os recursos de diferentes investidores, divididos em cotas.

J
Juros – diferença entre o valor emprestado e o valor pago; podem ser simples ou compostos.

L
Liquidez – capacidade de um investimento se transformar em dinheiro, o quão rápido isso é possível.

R
Renda fixa – referente a títulos que pagam, em períodos definidos, uma determinada remuneração. Na prática, é emprestar dinheiro ao dono do título; banco, empresa ou governo. A remuneração são os juros do título.
Renda variável – referente a títulos cuja remuneração não é fixada anteriormente. O retorno desse tipo de investimento varia conforme as condições do mercado.
Rentabilidade – referente a valorização ou desvalorização de um determinado investimento em pontos percentuais.

S
Selic – principal taxa de juros da economia brasileira.

T
Tesouro direto – título de renda fixa emitido pelo Governo Federal como forma de empréstimo para financiar setores como saúde, educação, tecnologia e infraestrutura. Criado em 2002 através de uma parceria entre o Tesouro Nacional e a BM&FBovespa para possibilitar que pessoas físicas investissem em títulos públicos federais.

O workshop sobre Educação Financeira para Universitários com o Cláudio Souza foi a última atividade da Universidade CBDU em 2020, mas em 2021 voltaremos com muito mais conteúdo para você! E ah, se você estava inscrito no workshop, mas não conseguiu participar, não se preocupe, o conteúdo já está disponível na plataforma da Universidade CBDU; confere lá!

0

Compartilhe clicando abaixo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

NOTÍCIAS RELACIONADAS

BEACH GAMES INTERNACIONAL
FISU AMERICA – FUTSAL – Panamericano
JUBs – ATLÉTICAS 2021 – 15 esportes
FISU AMERICA – FUTEBOL – Panamericano
FISU AMERICA – RUGBY 7 – Panamericano